Após expulsão, Gabriel Monteiro será reintegrado à PM do RJ; entenda o caso

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) esclareceu, no final da tarde desta quarta-feira (5/8), o motivo que levou à expulsão do soldado Gabriel Monteiro por deserção. No entanto, ele será reintegrado à corporação após se apresentar na tarde desta quarta-feira (5/8) e alegar que estava afastado por atestado assinado pela própria PM. Em nota, a PMERJ informou que Gabriel não se apresentava ao serviço no 34ºBPM (Magé) desde 22 de julho. “Seguindo o regulamento interno da Corporação, o comando da unidade enviou viatura ao endereço do policial, diariamente, a partir do segundo dia de ausência, repetindo o procedimento até completar o prazo. Em nenhuma dessas visitas o policial foi localizado”, afirma.

Ainda segundo a corporação, o soldado faltou ao serviço 52 vezes durante o período em que trabalhou efetivamente como militar. “Acrescente-se ainda que o soldado Gabriel foi apresentado no 34º BPM em 16 de março e que até o dia 30 de julho (data em que se consumou a sua deserção) foi escalado em 45 serviços, tendo faltado a 20 dentre os quais, apenas seis de forma justificada”, explica a PMERJ.

A expulsão do soldado da PM foi publicada no boletim interno, nessa terça-feira (4/8). Só após isso, segundo a corporação, o policial se apresentou, na tarde desta quarta-feira. Ele responderá em liberdade pelo crime de deserção.

Gabriel também é alvo da Comissão de Revisão Disciplinar (CRD) por quebra de hierarquia. O soldado é acusado de “desrespeitar” o ex-comandante-geral da corporação após tê-lo acusado de envolvimento com o Comando Vermelho. Esses comportamentos levaram o youtuber a receber o conceito de “mau” na ficha disciplinar, a pior das classificações previstas.

Outro lado

Na manhã desta quarta, Gabriel gravou um vídeo em disse que foi surpreendido pela expulsão e que só ficou sabendo dela pela reportagem do jornal O Globo. Nas imagens, o soldado procura um médico da PM que teria assinado um atestado de dispensa para ele.

O responsável confirma que assinou o documento, mas que não conversaria com ninguém para resolver a situação e que a parte dele já tinha sido feita. A PM diz que “o documento não foi apresentado pelo policial militar ao comando do 34º BPM.”

Após se apresentar à corporação, o youtuber postou uma mensagem no Twitter informando que o atestado de perícia que o teria liberado do serviço não foi registrado no atos da PMERJ.

Agora no batalhão da PM. A PM não REGISTROU OS ATOS. SIM, ELA NÃO REGISTROU. Erros de terceiros prejudicaram minha vida. VÃO PAGAR NA JUSTIÇA!

O BRASIL PRECISA SABER A VERDADE! O CORONEL ERROU FEIO CONTRA MIM! POR FAVOR, ME AJUDEM!#somostodosgabrielmonteiro pic.twitter.com/gN6ipCvGWy

— Gabriel Monteiro (@GMonteiroRJ) August 5, 2020

“Agora no batalhão da PM. A PM não REGISTROU OS ATOS. SIM, ELA NÃO REGISTROU. Erros de terceiros prejudicaram minha vida. VÃO PAGAR NA JUSTIÇA! O BRASIL PRECISA SABER A VERDADE! O CORONEL ERROU FEIO CONTRA MIM! POR FAVOR, ME AJUDEM! #somostodosgabrielmonteiro”, escreveu.

VOU SER REINTEGRADO!

Peço ajuda em orações para que a grande imprensa e influenciadores que divulgaram a MENTIRA da minha “DESERÇÃO” retirem a FAKE NEWS. Aqui no batalhão já foi PROVADO que eles ERRARAM (má fé parece clara). Cobrem-os!

Ajudem na #somostodosgabrielmonteiro

— Gabriel Monteiro (@GMonteiroRJ) August 5, 2020

(correiobraziliense)

Comentários

Os comentários estão fechados.