Bahia não corre risco de desabastecimento apesar de paralisações, diz Sindicombustíveis

A manifestação de caminhoneiros na Bahia culminou em problemas no abastecimento de combustíveis entre a última quarta (8) e esta quinta-feira (9) no Oeste, de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado da Bahia (Sindicombustíveis), Walter Tannus.

Segundo o sindicalista, a entidade não sentiu impacto no restante do estado e, portanto, não deve haver desabastecimento e nem aumento de preço nos postos. Na visão dele, apenas na região oeste pode haver um “problema pontual de desabastecimento”. “Mas não no aumento do preço, a não ser que isto perdure”, pontuou, em entrevista ao Bahia Notícias.

“Problema mesmo só foi maior na BR-324, que liga Luís Eduardo Magalhães, tanto no sentido Barreiras, quanto no sentido Brasília. Ali houve problema, que afetou a entrega de alguns produtos, mas, no resto do estado, não observamos problema”, explicou.

Tannus crê que o pedido do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que os manifestantes liberem as rodovias deve arrefecer o movimento. “Em cima do pronunciamento do presidente, hoje já amanheceu mais calmo. Esperamos que, no decorrer do dia, as coisas se ajustem”, concluiu.

Na Bahia, protestos foram registrados, além do Oeste, em locais próximos a Feira de Santana, Eunápolis e Correntina. (BN)


Comentários

Os comentários estão fechados.