Bolsonaro diz que novo protocolo da cloroquina será assinado e ironiza: “Quem for de direita toma”

Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro informou que um novo protocolo autorizando o uso do medicamento no início do tratamento da Covid-19 será assinado. A autorização deve ser dada pelo ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta quarta-feira (20). Em entrevista ao jornalista Magno Martins, por meio de live, o militar reformado explicou que a autorização não irá obrigar nenhum paciente a tomar o remédio durante o tratamento, mas ele terá liberdade para utilizá-lo, caso julgue necessário. O presidente ainda admitiu que o medicamento pode ser ineficaz no tratamento do coronavírus, mas disse que prefere arriscar. “O que é a democracia? Você não quer? Você não faz. Você não é obrigado a tomar cloroquina, agora, quem quiser tomar que tome”, disse.

“Quem sabe, né?  Pode ser que lá na frente digam que a cloroquina foi um placebo, ou seja, não serviu para nada. Mas, pode ser que daqui a dois anos digam ‘olha, realmente curava’. E o Romero (Rodrigues, prefeito de Campina Grande) e eu não vamos ter o peso na consciência ‘ó, morreu e podia ter salvo. Na minha consciência e do Romero não vai ter isso. E outra, toma quem quiser, quem não quiser não toma. Quem é de direita toma cloroquina, quem é de esquerda, Tubaína”, completou.

As declarações do presidente aconteceram no mesmo dia em que o Brasil bateu recordes em números de mortos e de novos casos confirmados. Na terça (19), foram mais de mil mortes em 24 horas, totalizando quase 18 mil óbitos, e ainda 17,4 mil casos confirmados em um dia, com 270 mil casos registrados no total. 

Assista o vídeo:

(Varela Notícias)


Comentários

Os comentários estão fechados.