Casos de homicídios na Bahia têm alta de 2% no primeiro semestre, diz secretário

Brigas de rua, conflitos familiares, assaltos e, principalmente, situações relacionadas ao tráfico de drogas foram responsáveis por 1.019 homicídios em Salvador e região metropolitana nos primeiros seis meses de 2016. Os números, o boletim virtual da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), contabilizam quase seis mortes diárias na capital e nas doze cidades que integram a RMS desde o dia 1º de janeiro. De acordo com os dados disponíveis no site da pasta, no dia 27 de fevereiro foi registrado o maior número de ocorrências: 15 mortes em 24 horas. Ainda de acordo com o informativo, até o dia 30 de junho, apenas os dias 21 de março e 25 de maio não tiveram Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) – homicídios dolosos, lesão corporal seguida de morte e roubo com resultado morte -, registrados nestas cidades. Em entrevista ao apresentador Zé Eduardo, na manhã desta quarta-feira (10), na Rádio Metrópole, o secretário de Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, disse que o número em todo o Estado da Bahia apresenta acréscimo de 2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo o secretário, a disputa violenta pelo comando do tráfico de drogas, cada vez mais protagonizada por jovens, contribuiu para a elevação dos números. “Cada vez traficantes mais jovens querem entrar e assumir sua posição com violência”, observou Maurício Barbosa antes de detalhar: “Tivemos um primeiro semestre com números um pouco mais elevados, fechamos o semestre com 2% de homicídios acima do que foi o primeiro semestre de 2015, mas nesses dois meses agora, tanto julho quanto agosto, a gente conseguiu retirar esse acréscimo e hoje já estamos com redução de homicídios”, afirmou. Em 2015, conforme dados estatísticos da SSP, o número de casos na capital foi 10,4% inferior ao que foi registrado em 2014. Já na região metropolitana, a redução foi 12,8%.


Comentários

Os comentários estão fechados.