A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje (27) que a cepa brasileira do coronavírus Sars-CoV-2 já se espalhou por pelo menos oito países. Em sua última atualização epidemiológica, a agência informou que a variante está se disseminando e isso gera uma “preocupação” sobre a possibilidade de a mutação P.1, como é identificada, levar a uma maior transmissibilidade da Covid-19. Portugal anunciou nesta quarta (27) que irá suspender os voos entre o país e o Brasil entre os dias 29 de janeiro e 14 de fevereiro, devido a piora da pandemia no mundo e a detecção de novas variantes.


Incêndio em prédios do Instituto Serum, na cidade de Pune, na Índia, em 21 de janeiro de 2021 — Foto: AFP

Um incêndio atingiu um edifício do Instituto Serum, a empresa da Índia que produz vacinas com tecnologia da AstraZeneca e da Universidade de Oxford, nesta quinta-feira (21), na cidade de Pune. Pelo menos cinco pessoas morreram. O estoque de vacinas e a indústria onde elas são feitas estão seguras, segundo o jornal “Times of India”. Atualmente, o Instituto Serum produz cerca de 50 milhões de doses da vacina por mês em outras unidades do complexo.

Cinco pessoas morreram no incêndio, segundo o “Times of India”. O prefeito da cidade de Pune, Murlidhar Mohol, disse que os mortos são provavelmente trabalhadores de construção civil que estavam no prédio. O diretor-executivo da empresa, Adar Poonawalla, confirmou que houve mortes. A empresa também vai começar a produzir as vacinas desenvolvidas pela empresa norte-americana Novavax.

Poonawalla afirmou que a unidade que pegou fogo produz vacinas para o rotavírus. Ele estima que a perda nessa linha de produção será de até 40% do volume de doses. As redes de TV indianas mostram uma coluna de fumaça cinza acima da sede da empresa. Em uma rede social, Poonawalla, o diretor-executivo, agradeceu a todos pela preocupação e pelas orações. Os bombeiros afirmaram que ao menos cinco caminhões foram enviados para combater o fogo no prédio e que o incêndio foi controlado.

Ainda não se sabe o que causou o incêndio, mas o prefeito disse que o fogo pode ter começado com um trabalho de soldagem.

Maior produtor do mundo

O Instituto Serum é o maior fabricante de vacinas do planeta. Lá são produzidas 1,5 bilhão de doses para várias doenças, de poliomielite a caxumba. A estimativa é que seis em cada dez crianças no mundo recebam pelo menos uma vacina fabricada pela empresa indiana.

Nesta semana, a Índia começou a exportar as vacinas produzidas pelo Instituto Serum para seis países, mas não para o Brasil.

Questões diplomáticas
O Brasil espera a liberação da exportação de dois milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca que estão na Índia, mas as relações diplomáticas entre os dois governos enfrentam dificuldades há três meses por causa da posição assumida pelo Brasil numa reunião na Organização Mundial do Comércio (OMC).

A reunião foi em meados de outubro de 2020.

A África do Sul e a Índia apresentaram um pedido ao Conselho de Propriedade Intelectual da Organização Mundial do Comércio para suspender temporariamente os direitos de patentes de insumos e equipamentos médicos para combater a Covid-19, até que a maioria da população mundial estivesse vacinada.

O acordo de propriedade intelectual da OMC já prevê a flexibilização dos direitos de patentes em casos como esse, mas é preciso liberar um produto de cada vez em cada país, e o argumento era de que não havia tempo a perder.

Os representantes do governo brasileiro se manifestaram dizendo que “não estavam convencidos que a suspensão dos direitos de propriedade iria garantir a nós um aumento significativo de acesso aos produtos, e poderia dar um sinal errado a inovadores e até prejudicar esforços para produzir as soluções que precisamos”. (G1)


Foto : Adam Schultz / Biden for President

Com 217 votos a favor e 192 contra, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou o impeachment do presidente Donald Trump nesta quarta-feira, 13. Agora, o afastamento definitivo de Trump depende do Senado, onde são necessários dois terços dos votos. Atualmente, o Senado está em recesso e Trump deixa o cargo no próximo dia 20, por isso a definição não tem data para acontecer. O pedido formal de abertura do processo foi apresentado na segunda-feira, 11, pela segunda vez em seu mandato. Trump foi considerado culpado por incitar à violência que resultou na invasão do Capitólio, a sede do Congresso americano, na semana passada. Antes, em 2020, ele havia sido sido declarado culpado por obstrução ao Congresso e abuso de poder. É a primeira vez na história dos EUA em que um presidente é submetido a dois processos de impeachment — no primeiro deles, Trump foi condenado na Câmara e absolvido no Senado, de maioria republicana. A expectativa desta vez é que alguns republicanos sejam favoráveis a seu afastamento. (A Tarde)


O Senado da Argentina aprovou nesta quarta-feira a legalização do aborto até a 14ª semana de gestação, uma decisão celebrada por milhares de ativistas feministas que aguardaram a votação durante mais de 12 horas nas proximidades do Congresso. A legalização do aborto, um projeto do presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados em 11 de dezembro e nesta quarta-feira recebeu os votos favoráveis de 38 senadores, 29 votos contrários e uma abstenção, uma margem mais ampla que o previsto.


Moradoras de Salvador relataram terem recebido sementes ‘misteriosas’ que têm sido enviadas via Correios, sem que tivessem feito a encomenda do produto. Na semana passada, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) emitiu um alerta sobre a situação. Quatro denúncias de recebimento de sementes de origem indefinida foram registradas em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul. O Ministério da Agricultura acompanha as investigações. A preocupação é que essas sementes contaminem as lavouras com pragas.


Reprodução/ Estadão Conteúdo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 21, que 156 países aderiram oficialmente à Covax, aliança global que visa acelerar o desenvolvimento de vacinas contra à Covid -19 e fazer uma distribuição equitativa do imunizante. “Mais de 156 economias trabalharão juntas para garantir a vacina por meio da Covax”, disse Seth Berkley, CEO da Vaccine Alliance, órgão que colidera a iniciativa junto com a OMS. O número é menor do que havia sido anunciado no início do mês, quando 165 nações tinham interesse de participar da aliança.


A alta no preço do arroz, que em alguns lugares já está custando R$ 40 o pacote de cinco quilos, deixou o país em alerta. Mas bem antes do grão virar manchete, a população de Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul, já tinha outra preocupação: a Feira Nacional do Arroz (Fenarroz) não terá mais uma rainha, e Eduarda Prade, eleita em 2018, foi a última a receber a coroa da dinastia das soberanas, como são chamadas. Ou seja, não sobrou nem para o arroz de festa.

O evento, o maior do setor em todo o país, acontece a cada dois anos no município que já foi o maior produtor de arroz no Brasil. Hoje, ocupa o 12º para tristeza de Eduarda. Não, ela não é uma produtora agrícola. Longe disso. Aos 21 anos, está estudando Arquitetura e Urbanismo. Como última detentora do título de Rainha do Arroz, no entanto, uma tristeza. “Estudei bastante quando concorri. Toda a história da minha cidade e o vínculo com a produção. O arroz tem fundamental importância para nós. Muitos habitantes vivem do plantio e as rainhas prestavam um papel de divulgar tudo isso e resgatar a tradição”, explica a bela gaúcha.


O chefe do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, disse hoje (22) que, apesar dos progressos feitos no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, muitas já em testes finais, seu uso só deve ser esperado para o início de 2021. “Na realidade, só na primeira parte do próximo ano começaremos a ver as pessoas serem vacinadas”, disse Ryan. Segundo o diretor, a OMS vem trabalhando para garantir uma ampla distribuição das vacinas mas, enquanto isso não acontece, é preciso frear a propagação do vírus.


Uma nova nuvem de gafanhotos surgiu no Paraguai e colocou novamente em alerta as autoridades brasileiras devido ao potencial risco de destruição de plantações. Os insetos estão no Parque Nacional Defensores del Chaco, em Teniente Pico, a cerca de 300 quilômetros da fronteira do Brasil e da Argentina. Conforme o Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Vegetal e de Sementes do Paraguai (Senave), caso haja condições climáticas ideais, o aglomerado de gafanhotos pode se movimentar para as regiões de Boquerón, na fronteira com Bolívia e Argentina, ou Alto Paraguai, na fronteira entre Brasil e Bolívia com o Paraguai.


Foto: Agência Brasil

A embaixada da China no Cazaquistão alertou à população sobre um surto de pneumonia que seria “mais letal que a Covid-19”. Na quinta-feira (9), o órgão afirmou, em um comunicado, que houve um “aumento significativo” de casos. Desde meados de junho, as cidades de Atyrau, Aktobe e Shymkent são as que mais sofrem com o aumento de pacientes. De acordo com a embaixada, no Cazaquistão, a pneumonia matou 1.772 pessoas na primeira metade do ano, com 628 mortes somente em junho, incluindo cidadãos chineses.


Foto: Reprodução/Tedros Ghebreyesus – Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS)

Já passados seis meses do início da crise do coronavírus, com mais de 100 dias de isolamento social no Brasil, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o mundo está ainda distante de ver o final da pandemia e que a atual crise política, falta de unidade nacional e divisão global estão aprofundando o caos. “A dura realidade é que não está nem perto de acabar”, afirmou Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. Segundo ele, se o mundo continuar dividido e não houver união nacional, “o pior está ainda por vir”.