Nos últimos dias, imagens de pessoas em versões mais velhas delas mesmas viraram a nova febre das redes sociais no país. O FaceApp, aplicativo que “envelhece” pessoas em fotos, entrega os dados pessoais fornecidos por usuários para a desenvolvedora russa Wireless Lab, sua anunciante. O fornecimento de informações, no entanto, não ocorre de forma escondida, já que está entre os termos de uso do app, que precisa ser autorizado por todo usuário antes que o acesso às funções seja liberado. O FaceApp está disponível nas lojas de aplicativos Play Store (para o sistema operacional Android) e Apple Store (para o sistema operacional iOS). Na loja Play Store no Brasil estava listado em julho como o principal aplicativo na categoria gratuitos. (Varela Notícias)


Um novo golpe na internet tem circulado pelo país e cerca de 180 mil pessoas já acessaram um site classificado como malicioso. O golpe da vez consiste em uma mensagem recebida pelo WhatsApp prometendo liberar o 13º salário para beneficiários do programa Bolsa Família. A mensagem enviada para os celulares apresenta um link que supostamente revelaria se a pessoa tem direito ao 13º salário do programa social. Ao clicar no link, o usuário é levado para uma tela com a logomarca do programa. No site, o internauta é instruído a preencher um formulário de uma pesquisa com informações pessoais, como nome completo, endereço e CPF.


O WhatsApp informou que vai levar à Justiça casos de violação dos termos de serviços da plataforma com práticas abusivas, como envio de mensagens em massa ou automatizadas. A informação foi publicada em um comunicado na página da empresa.  Segundo a nota, o texto serve como aviso de que a empresa passará a tomar as medidas legais a partir do dia 7 de dezembro de 2019 contra as ocorrências, mesmo que as informações obtidas sobra as violações vierem de fora da plataforma, como anúncios de empresa que dizem ter a habilidade de fazer os disparos. Se as atividades forem detectadas pela tecnologia da plataforma, a empresa diz que as medidas podem ser tomadas antes dessa data. “Este é um desafio que requer uma abordagem holística. O WhatsApp está comprometido a utilizar todos os recursos à disposição dele, incluindo processar, se necessário for, para evitar abusos contra nossos Termos de serviço, como o envio de mensagens em massa ou utilização comercial”, diz um trecho do comunicado.


Foto: Allan White/ Fotos Públicas

O WhatsApp divulgou nesta terça-feira (14), recomendações a usuários para que atualizem o aplicativo em seus smartphones. O motivo da orientação diz respeito a uma falha na segurança que teria permitido o acesso de hackers e a instalação de pequenos programas maliciosos (spywares) para coletar informações dos usuários. A ação teria utilizado um software de espionagem semelhante aos desenvolvidos pela empresa israelense NSO Group, que comercializa soluções deste tipo junto a governos. Por meio do programa, os hackers teriam como acessar informações dos smartphones dos usuários de forma remota. “O WhatsApp incentiva as pessoas a atualizarem o nosso aplicativo para a versão mais recente, assim como manter o sistema operacional dos dispositivos atualizados, a fim de proteger contra possíveis ataques destinados a comprometer as informações armazenadas em dispositivos móveis”, destacou a empresa.


O aplicativo de conversas WhatsApp decidiu limitar de vinte para cinco o número de vezes que um usuário pode reenviar uma mensagem, em uma tentativa de combater disseminação de informações falsas e rumores, afirmaram executivos da companhia nesta segunda (21). O limite já estava em vigor na Índia, onde a divulgação de boatos por meio do aplicativo causou a morte de 27 pessoas por linchamento. Os usuários de aparelhos com o sistema Android receberão a atualização primeiro, a partir de hoje. Nos próximos dias, a mudança chegará aos dispositivos da Apple. A disseminação de informações falsas pelo WhatsApp esteve no centro das atenções durante as eleições de 2018 no Brasil, quando diversos conteúdos enganosos foram compartilhados.