Em nota, membros da Lava-Jato rebatem fala de Bolsonaro sobre fim da operação

Sérgio Lima/Poder360 19.nov.2019

Os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato de Curitiba reagiram após o presidente Jair Bolsonaro dar como encerrada a operação, em razão de não existir mais casos de corrupção em seu governo. Em nota, os membros alegaram que o discurso de Bolsonaro aponta para falta de conhecimento sobre a necessidade da permanência da Lava-Jato para combater a corrupção. “Sobretudo, reforça a percepção sobre a ausência de efetivo comprometimento com o fortalecimento dos mecanismos de combate à corrupção”, diz o texto.

Eles acrescetaram que, além do “apoio da sociedade”, precisam também da contribuição do presidente em exercício e de “todos os Poderes da República”, para que o objetivo seja alcançado.

Sem especificar, os procuradores afirmaram que existem “forças poderosas” hoje no país, que atuam contra a Lava-Jato. As informações são do O Globo.

“Os procuradores da República designados para atuar no caso reforçam o seu compromisso na busca da promoção de justiça e defesa da coisa pública, papel constitucional do Ministério Público, apesar de forças poderosas em sentido contrário”, finaliza.

No fim do mês passado, o ex-advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef, conhecido por ter abrigado Fabrício Queiroz em seu sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, virou réu na investigação da operação Lava-Jato, desencadeada pela Operação E$quema S, que apontam para o desvio de R$ 4,6 milhões do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), entre dezembro de 2016 e maio de 2017, sob a justificativa de prestação de serviços advocatícios à Fecomércio/RJ.

BNews


Comentários

Os comentários estão fechados.