Garoto impedido de comer em shopping consegue vaga em escola

O garoto de 12 anos, envolvido no episódio de discriminação dentro do Shopping da Bahia, já voltou a estudar. Segundo a Defensoria Pública do Estado (DPE), foi solicitado, através de um ofício, da Secretaria Municipal de Educação uma vaga em escola pública próxima à sua atual residência do menino. De acordo com a mãe do adolescente, Maria Eliane Santos, o filho estava no estabelecimento comercial por não estar frequentando a escola, já que ela não tinha conseguido matriculá-lo em uma instituição de ensino próxima a sua residência, além de não possuir condições financeiras para arcar com o valor do transporte até uma escola mais distante. O garoto estava matriculado em uma escola no bairro de Fazenda Coutos onde residia. Após a família se mudar para Pernambués, não conseguiu vaga em uma escola nesse novo bairro. Desde que o caso ganhou repercussão nacional com ampla divulgação na imprensa e nas redes sociais, a Defensoria Pública da Bahia vem prestando apoio e orientação jurídica a todas as partes envolvidas. A vaga na escola é resultado de uma ação conjunta entre as instituições especializadas de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente e de Curadoria Especial. No dia 11 de junho, um segurança do shopping tentou impedi-lo de permanecer na Praça de Alimentação, enquanto aguardava por uma refeição oferecida por um cliente. Houve uma confusão no local e toda a situação foi filmada por testemunhas. O segurança foi afastado para passar por um novo treinamento após o episódio. (Correio)


Comentários

Os comentários estão fechados.