Joaquim Barbosa diz que é grave tirar a presidente do cargo e é favorável a novas eleições

Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa questionou, nesta quinta-feira (12/5), a maneira como foi conduzido o processo de impeachment de Dilma Rousseff (PT).  ”Tenho sérias duvidas quanto à integridade e à adequação desse processo pelo motivo que foi escolhido. Se a presidente tivesse sendo processada pelo Congresso por sua cumplicidade e ambiguidade em relação à corrupção avassaladora mostrada no País nos últimos anos, eu não veria nenhum problema’, afirmou. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, Barbosa argumentou, durante um evento sobre as instituições brasileiras, na capital paulista, que o descumprimento de regras orçamentárias não é motivo suficiente para afastar um presidente. ”Temos um problema sério de proporcionalidade, pois a irresponsabilidade fiscal é o comportamento mais comum entre nossos governantes em todas as esferas. Vejam a penúria financeira dos nossos Estados, o que é isso senão fruto da irresponsabilidade orçamentária dos governadores”, opinou. Contudo, o jurista não poupou críticas a petista. Para Barbosa, Dilma ”se omitiu, silenciou-se, foi ambígua e não soube se distanciar do ambiente deletério que a cercava, não soube exercer comando”. O ex-ministro ainda afirmou que Michel Temer (PMDB) não tem legitimidade para governar o Brasil. ”É muito grave tirar a presidente do cargo e colocar em seu lugar alguém que é seu adversário oculto ou ostensivo, alguém que perdeu uma eleição presidencial ou alguém que sequer um dia teria o sonho de disputar uma eleição para presidente”, analisou. Para ele, a solução seria a convocação de novas eleições.  No fim de sua palestra, Barbosa demonstrou preocupação com o futuro das instituições brasileiras. ”Eu me pergunto se esse impeachment não resultará em golpe certeiro em nossas instituições, eu me pergunto se elas não sairão fragilizadas, imprestáveis”, bradou, e continuou: ”Sou radicalmente favorável à convocação de novas eleições. Essa é a verdadeira solução, que acaba com essa anomalia [do impeachment]”, opinou. ”Dar a palavra ao povo.” (Blog Marcos Frahm)


Comentários

Os comentários estão fechados.