Mulher morre após ser medicada com hidroxicloroquina sem consulta da família

Uma dona de casa, de 54 anos, morreu, vítima da Covid-19, uma semana depois de ter sido medicada com a hidroxicloroquina, no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes, em São Paulo. Segundo a irmã da vítima, a auxiliar de enfermagem aposentada, Zileide Silva do Nascimento, o medicamento foi dado sem o consentimento da família. Em entrevista à Agência Pública de jornalismo investigativo do Brasil, Zileide contou que recebeu uma ligação do hospital, no dia 1º de maio, informando que a irmã dela, Zemilda Silva do Nascimento Gonçalves, estava em estado estável e era medicada com hidroxicloroquina.

O medicamento foi dado à paciente entre os dias 30 de abril e dia 4 de maio. Após esse período, Zemilda teve que fazer duas hemodiálises porque teve problemas nos rins. Na madrugada do dia 11 de maio, a paciente não resistiu e acabou morrendo. No atestado de óbito consta que as causas da morte foram insuficiência respiratória aguda, infecção por coronavírus, pressão alta e colesterol alto.

“Eu imaginava que [a hidroxicloroquina] fosse algum medicamento bom. Se tivessem me falado dos perigos, eu não teria autorizado”, disse Zileide. Procurada pela Agência Pública, a Fundação do ABC, que administra o hospital, informou que “não divulga dados relacionados ao atendimento prestado aos pacientes, como determina o Código de Ética Médica”. Fonte: BocaoNews.


Comentários

Os comentários estão fechados.