Polícia Civil de Amargosa desmantela quadrilha que aplicava golpes pelas redes sociais

Polícia Civil de Amargosa desmantela quadrilha que aplicava golpes pelas redes sociais

A Polícia Civil de Amargosa deu início no dia de hoje, 07/06/2018, operação policial contra golpes aplicados através das redes sociais. A quadrilha era composta por pelo menos três pessoas, sendo Antônio Roberto Brito Alves, 27 anos, o líder do bando e articulador do golpe, residente na Cidade de Ibotirama. Em Amargosa, a quadrilha contava com a participação de Zélia Brito Alves, 36 anos e sua filha Adriana Alves Santos, de 20 anos de idade. De acordo com as investigações, a quadrilha criava grupos através do aplicativo para celular Whatsapp e pelo Facebook de venda de roupas, sendo comercializada nas mais diversas cidades dos quatro cantos do País, em todas as regiões. Estelionatário contumaz, Antônio Roberto Brito Alves, se fazia passar por sua sobrinha Adriana, no facebook e no whatsapp para fazer as vendas. Fechada a negociação, Zélia, irmã do Roberto, encaminhava as supostas roupas pelos Correios, através do serviço de sedex, sendo que nas caixas tinha apenas chip de celular vazio, e não as roupas negociadas. Os comprovantes do envio eram encaminhados as vítimas, que fazia o depósito do valor combinado na conta de Adriana. Zélia fazia a imediata retirada desses valores e repassava para outra conta, a disposição do mentor do golpe, seu irmão Roberto.  Com o dinheiro proveniente dos golpes, Antônio Roberto Brito Alves desfilava com veículos de luxo. O golpe estava sendo aplicado há pelo menos 02 (dois) anos, tendo vítimas em quase todos os Estados da Nação. Os valores das vendas eram desde R$ 400,00 a R$ 20.000,00 por vítima. Quando as vítimas começavam a desconfiar que havia caído num golpe, eram imediatamente bloqueadas das redes sociais. A Polícia Civil de Amargosa representou pelo bloqueio das contas dos acusados e retenção dos valores nelas existentes, objetivando o ressarcimento, ainda que parcial das diversas vítimas. Foi cumprido mandado judicial de busca e apreensão na residência das acusadas, sendo apreendidos provas do crime, além de alguns pássaros da fauna silvestre e fogos de artifício. (AN)


Comentários

Os comentários estão fechados.